Ucrânia e a reedição dos confrontos entre URSS e EUA

Ucrânia - palco dos conflitos
Norte do Cáucaso e Ucrânia – palco dos conflitos

Mais um capítulo de livros didáticos de Geografia está sendo criado nas últimas semanas. Os conflitos na Ucrânia são muito mais de ordem geopolítica, catalisados pela rivalidade entre Rússia e Estados Unidos, do que ideológica, menos ainda pelo direito à manifestações públicas.

A crise ucraniana teve seu estopim com a queda do presidente Viktor Yanukovich em 22 de fevereiro, sob o olhar calmo e sínico de EUA e UE (União Europeia), mas as tensões já vinham desde a sua intenção velada de não assinar o tratado que selaria a entrada do país na União Europeia. Aliado russo, imediatamente provocou uma série de reações na geopolítica praticada por Putin, experiente estadista formado na KGB.

Após o que Putin chamou de golpe de Estado, John Kerry, secretário de Estado dos EUA, manifestou seu apoio ao governo de transição ao acenar com 1 Bilhão de dólares em ajuda. Não é de hoje o interesse de EUA e, é claro, da Rússia no potencial energético da região do Cáucaso, a diferença é que os russos historicamente tem sido aliados a estes países, a exemplo da URSS, já os americanos, gozam de toda a desconfiança dos governantes locais. O conflito também é percebido claramente nos jornais brasileiros, enquanto a Folha enfatiza o lado russo, a Carta Capital enfatiza os interesses americanos, embora com um teor muito mais profundo quando aborda o tema.

A decisão de proibir manifestações na capital Kiev é mais um ingrediente no caldeirão do conflito. Caldeirão também étnico, pois há um claro conflito ali entre Ucranianos do oeste e do leste (de origem e lingua russa). A Criméia, por exemplo, região que já fez parte da Rússia até 1954, clama pelo separatismo e terá um referendo que decidirá se a região será anexada à Rússia ou não, documento que já está nas mãos de Putin.

Trata-se de uma ameaça não só para EUA mas também à UE, que pode ver a Rússia, em ampla recuperação econômica após a crise da década de 90, restituir sua influência no Cáucaso e também no leste europeu. Para o cientista político, historiador e professor aposentado de política exterior do Brasil Luiz Alberto Moniz Bandeira, o conflito é um desdobramento ainda da revolução Laranja de dez anos atrás, onde Yushchenko e Yanukovich disputaram uma eleição cercada de fraudes e tráfico de influência tanto de russos quanto americanos e europeus. Yushchenko era a favor da adesão à OTAN, mas teve que mudar de posição em virtude da pressão russa, parece que é o que também ocorre agora, já que EUA e UE não tem condições de reerguer a Ucrânia em virtude da crise financeira que atravessam. Além da influência na Criméia, os russos possuem base naval em Sebastobol e um porto em Odessa desde o reinado de Catarina, a Grande (1762-1796), ou seja, controlam as saídas para o Mar Negro e os acessos às zonas ricas em recursos naturais como petróleo e gás.

Portanto, ao contrário do que boa parte da imprensa publica, as armas de Putin não estão baseadas em tanques, armas e navios, mas na diplomacia e na propaganda política. Putin tem resolvido conflitos sem ter que realizar um disparo sequer, no entanto, acreditar que os russos planejam acabar com o conflito por pura bondade é o mesmo que acreditar que EUA e UE não possuem interesses ali.

Voltando à cobertura dada pelas mídias, cito aqui o texto publicado pela Forbes, que até ia bem, embora preenchido de asneiras, até este parágrafo:

Most of all, we should approach the current crises with cool heads.  In time, it too will pass.  Russia will remain a corrupt kleptocracy, waiting only for the next oil glut to descend once again into chaos.  We in the West, and hopefully in Ukraine as well, will be free to pursue our dreams in a global community of likeminded nations.

Apenas um exemplo de como a mídia pode ser tendenciosa e, por que não, burra.

Caro leitor, não há mocinhos nessa história, nem Putin e muito menos americanos ou UE.

Sugestões de leitura:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/03/1421408-parlamento-da-crimeia-decide-por-unanimidade-sua-incorporacao-a-russia.shtml

http://www.cartacapital.com.br/internacional/a-segunda-guerra-fria-4728.html

http://www.theguardian.com/commentisfree/2014/mar/05/clash-crimea-western-expansion-ukraine-fascists

http://www.forbes.com/sites/gregsatell/2014/03/04/5-important-facts-that-the-western-press-is-getting-terribly-wrong-in-ukraine/?utm_campaign=forbesfbsf&utm_source=facebook&utm_medium=social

Anúncios

4 comentários sobre “Ucrânia e a reedição dos confrontos entre URSS e EUA

  1. Concordo com a análise. Não há mocinhos, o que há são cachorros grandes disputando um osso já bastante mastigado, mas ainda bastante saboroso.

    Curtir

  2. Isso é geopolítica pura!!! Lembrando que a própria Crimeia já passou por guerras e foi anexada a Ucrânia em 1954 pela URSS, ou seja, sempre foi uma região pró- Rússia. O mais grave dessa tendência midiática é tentar colocar a Ucrânia e Venezuela no mesmo balaio … è muita falta de informação ou é proposital??? Resposta difícil…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s