O retorno da boçalidade e a incompetência petista

Bom, após 3 meses de inatividade finalmente retorno à escrita no blog, foi um longo período onde o exame de qualificação de doutorado acabou por “atrapalhar” minhas atividades por aqui. Amigo, quando a água bate na bunda aí você se mexe, dança, rebola, e algo tem que perder, no meu caso, o blog.

Enfim, sem mais desculpinhas esfarrapadas, volto ao cenário político atual. Está organizado um “protesto” para dia 15 de março, legítimo, diga-se de passage (A lá Neto), onde a principal reivindicação pede o impeachment da presidenta Dilma. Quem está por trás disso? Movimento Vem pra Rua (denunciado NESSE BLOG como sendo financiado pelo diretor da Ambev) e setores ligados à direita, com apoio de alguns partidos de oposição, entre eles o nosso querido e idolatrado (em SP): PSDB.

Óbvio que essa efervescência é captaneada pelo estado de São Paulo, inclusive tem o apoio político de determinados setores da imprensa e do próprio governador, mas vamos deixar isso para o fim do texto. Os protestos ocorrem num momento de estagnação da economia, pois batemos no teto do que é possível desenvolver sem que haja outras reformas estruturais, além disso, a crise no planalto também está instaurada.

A declaração de Dilma no domingo foi acompanhada é claro pelo panelaço gourmet, porém, ao contrário do que o diretório do partido inocentemente tem justificado, não é uma insatisfação burguesa contra um governo de esquerda, outras classes sociais estão indo a reboque e engrossando o caldo da insatisfação. Parte dessa insatisfação foi provocada pelo próprio PT, nomeação de ministros e loteamentos de cargo em função de alianças eleitorais; medidas econômicas que pouco os distanciam das medidas já tomadas por outros governos para enfrentar crises; enfim, ingredientes não faltam.

A própria postura petista incomoda, apanham por todos os lados, de direita a esquerda, de cima em baixo, e pouco vieram a público para rebater essas pancadas que tomaram e, quando o fizeram, o fizeram na hora errada. Há uma crise instaurada em função da Lava Jato, onde o palácio quer ver o sangue do PMDB, e este quer anular Dilma nas votações do congresso.

Soma-se a isso o relatório de Janot, que livra a cara deslavada de Aécio Neves e também de Dilma. O senhor Aécio que bradava antes da CPI que tudo deveria ser investigado, “doa a quem doer”, mas que na suspeita de investigação do swissleaks do HSBC também pediu cautela nas investigações. É o mesmo senhor que disse que apóia a manifestação mas não vai participar, é claro, tem coisa melhor pra fazer, trouxa são os outros que acreditam nele.

Voltando ao apoio do governador estadual aos protestos, a secretaria de segurança pública acaba de mudar o horário do jogo do Palmeiras x XV de Piracicaba para às 11hs do próximo domingo, inicialmente marcado para às 16hs.  Pasmem, em função do protesto, e observe que o jogo é com o XV de Piracicaba, ou seja, não é esperado um confronto entre as duas “rivais” torcidas, 100 policiais dariam conta de fazer o espetáculo, ou seja, não é uma questão de logística, é política. Nos protestos de 2013 não lembro de nenhum jogo ter sido mudado de horário, embora aquele protesto, a exemplo deste, não tenha mudado rigorosamente nada na nossa política.

Enquanto isso, o “exemplo” Joaquim Barbosa compara o mesmo protesto à queda da Bastilha e à revolução russa de 1917. Ele apenas inverteu os papéis, se fosse como a cabeça tola de Barbosa pensa, os Marinho e as classes dominantes estariam neste momento comprando suas passagens para Miami, no entanto, são elas quem estão comandando/influenciando as iniciativas.

Outra coisa que me incomada, e fazia tempo que não incomodava, é a parcialidade da imprensa. Divulgam aqui e acolá matérias sobre Lava Jato, gente xingando a Dilma em São Paulo, mas não aquelas que a beijaram no Norte. Também se esquecem que no estado de São Paulo passamos por uma crise hídrica que é eminentemente política, que até a presidente Dilma mostrou não entender no seu discurso realizado no último domingo, pois pra ela a crise é climática. Não falam dos esquemas dos trens metropolitanos onde o governo estadual está sujo até as tampas, e o que mais me choca, a população também vive numa espécie de Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago, ninguém sabe de nada, tá tudo muito bom, a culpa de tudo é do PT, inclusive da crise hídrica.

Para não deixar o post muito extenso, creio que o protesto do dia 15 é legítimo até o ponto onde não se pede impeachment, pois aí é outra coisa amigo, aí é golpe mesmo, já que o Brasil elegeu seus representantes legalmente. Ainda assim, acho que será um tiro no pé, pois o que veremos de pessoas pedindo pela volta das forças armadas será algo notório, e isso até o mais inocente cachorro de rua sabe que seria uma catástrofe sem precedentes.

Encerro com uma figura mostrada por um amigo a alguns dias atrás, mostrando o papel de cada um na sociedade e o poder de decisão:

piramide-povo-elite-banqueiros

Olhem bem onde estão os políticos eleitos. Agora olhem quem está acima deles. Agora entenda porque nenhum lobby foi feito pela investigação e divulgação do swissleaks e as contas milionárias colocadas no paraíso fiscal da Suiça, que esconde dinheiro sujo, inclusive com participação da imprensa. Detalhe: na França foram feitos esforços para que isso se tornasse público, por aqui, o engavetamento foi geral.

Conselho 1: quando for por culpa nos políticos, embora exista uma preferência em atrelar todos os problemas desde a primeira república do Brasil ao PT, sempre reflita e lembre-se que os políticos agem em função de favores e dinheiro que lhes são impostos por gente acima deles, da qual eles tomam benefício e se misturam, mas, indubitavelmente, eles não estão sozinhos na bandalheira toda.

Conselho 2: Capitalismo é bom para quem tem dinheiro, poder de decisão e influência, amigo, você, se não for governante ou juiz de direito, está lascado, os três poderes estão nas mãos de outros. Para você o capitalismo não funciona.

Conselho 3: Antes de se achar mais importante do que o lixeiro ou a empregada doméstica e os desprezá-los, lembre-se que perante o nosso sistema, vocês são iguais: não são nada, a diferença é que você pode ganhar um pouco mais, mas essencialmente não valem nada para o sistema.

Antes e depois do “rolezinho”: por que a nova e a velha classe média são, em geral, estúpidas?


classe_media_sieber_02
Digo em geral porque tal quantificação seria impossível de ser realizada. Vamos lá, elenquei dez motivos. O caro leitor pode me ajudar nessa empreitada, inclusive xingando o autor se for o caso.

1) O classe média tem medo do “rolezinho”, mesmo ele tendo menos ou as mesmas posses que a galera que tá movimentando os shopping centers.

2) Temas como bolsa família, auxílio reclusão e demais programas sociais são seus alvos preferidos, mesmo que ele não tenha idéia do que de fato acontece e que não foram criações do PT e nem do Lulismo, o terceiro motivo. Já vi exemplares que andam de carro importado, digo, com mais de 50 anos, que falsificam carteiras de Universidade pública pra pagar meia entrada.

3) Criticar o PT e o Lulismo é de praxe, nunca nos pontos onde vale a pena a crítica, mas sempre se valendo de argumentos estúpidos.

4) Adora vociferar que no Brasil é melhor estar preso e receber os benefícios do que em liberdade trabalhando. Pois bem, vá preso então.

5) Criticam a solução dada na cracolândia, mesmo que ela seja a mais humana possível e que, ele próprio não tenha nenhuma outra. Ainda assim, esbraveja nas mesas de bar que vai passar a se drogar para ganhar moradia e emprego. Pois bem, que o faça então.

6) Nem o capitalismo mantém preconceitos. O classe média brasileiro os mantém com toda força.

7) Usam a meritocracia para justificar todos os problemas sociais.

8) Esbraveja, com um quê de hipocrisia, que o dinheiro gasto com a Copa poderia mudar o Brasil. Caso não sediássemos a Copa seríamos a Suécia então.

9) Adora comparações esdrúxulas com os nossos irmãos do norte, como diria o general Golbery do Couto e Silva.

10) Gosta do Diogo Mainardi. Aqueles um pouquinho mais escolados amam o Olavo de Carvalho.

Assistencialismo?

Um dos principais pilares do pensamento opositor ao governo PT se não caiu por terra, colocou uma pulga atrás da orelha de tucanos, demos e demais pragas de esquerda e direita: a notícia de que 1,69 milhão de pessoas abriu mão do bolsa família, mais de 10% dos beneficiários. Embora o programa tenha começado com o paquiderme do FHC, através do bolsa escola.

Apesar de uma parte dos primeiros beneficiários ainda continuarem recebendo, o fato de que 12% deles (Valores atuais) abriram mão pode significar três coisas: uma é que o brasileiro não é tão vagabundo assim como dizem, ou o poder aquisitivo aumentou, ou o número de pessoas por família diminuiu. Qualquer uma delas é significativa.

Parece que a crítica de que o bolsa família “dá o peixe e não ensina a pescar” é tão vago quanto acreditar que 100% das pessoas que recebem são honestas. O intuito do programa nunca foi ensinar a pescar, o objetivo sempre foi colocar comida na mesa primeiro, depois vêm todas as outras coisas. Lembrando que isso não é uma política eterna, é momentânea, assim como a política de cotas. Segundo Cristovão Buarque (PDT-DF), se o bolsa família continuar por mais 20 anos, será um fracasso. O programa é o remédio e a EDUCAÇÃO é a cura.

Outra crítica que cai por terra é a de que os nordestinos são os que mais recebem o benefícios, o que é uma verdade parcial, já que Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul recebem bastante financiamento também. Em todo caso, o programa teóricamente chegaria onde se tem mais carência, sob este ponto de vista, justo que chegue mais ao nordeste, pobre e populoso.

Alguns dados do programa bolsa família.
Alguns dados do programa bolsa família.

Não discuto que o programa seja usado como base eleitoreira do PT e demais partidos coligados, no entanto, a tão questionada ineficiência é “questionável” à luz dos novos dados.

Além disso, os valores recebidos atualmente chegam a R$97 por beneficiário. Se alguém acha que é vantagem viver de bolsa família, que abra mão de sua renda e se “beneficie” dos 100 reais por mês.